Normas para submissão de artigos e para Arbitragem

1 Aspetos gerais

Fluxos & Riscos continuará a ser uma revista semestral, com publicação anual de dois números, agendados para janeiro e julho. Cada número terá editor(es) convidado(s) para coordenar a secção temática/dossiê da revista. Para tornar o processo viável, dando tempo adequado para arbitragem, “double-blind peer review”, os artigos deverão dar entrada, pelo menos quatro meses antes da data de publicação, ou seja, até setembro e março. Os textos que chegarem fora destes prazos poderão ser publicados nos números posteriores. A submissão de artigos deverá ser feita on-line. Para isso, cada autor deverá registar-se na página web de gestão da revista, para ter acesso ao processo de envio do artigo: http://revistas.ulusofona.pt/index.php/fluxoseriscos/user/register Qualquer outra correspondência poderá ser dirigida ao e-mail do Secretariado do CPES: cpes@ulusofona.pt com cc para flux.risk@gmail.com

Os artigos para publicação na Fluxos & Riscos poderão vir tanto dos investigadores do CPES, como dos investigadores externos. O Conselho Editorial da revista anunciará, com regularidade, as temáticas escolhidas para o dossiê da revista e enviará “call for papers”. Haverá editor(es) convidado(s) de entre especialistas sobre os temas escolhidos para o dossiê temático de cada número da revista, que terá aproximadamente 200 páginas, divididas em três secções: A primeira secção temática ocupará o grosso da revista, incluindo aproximadamente 100-120 páginas, com espaço para 6 artigos de 5.000 palavras, aproximadamente. A segunda secção ficará reservada para temas diversos, mas sempre relevantes para os objetivos do CPES, e com o mesmo limite de palavras. Na terceira secção haverá espaço para artigos breves, não excedendo 1.000 palavras, para apresentar recensões de livros de interesse, relatórios da investigação em curso e reportagem de eventos científicos organizados pelo CPES, ou com a sua participação.

Os textos devem ser escritos em Word.doc, utilizando espaçamento 1,5, no texto, justificado, e 1, nas notas de rodapé, com a fonte Times New Roman (TNR) 12 para o texto e 11 para as notas de rodapé. As margens devem ter 2 cm. Os títulos com fonte TNR 13 e os subtítulos em TNR 12, deverão aparecer em bold.

Os capítulos e subcapítulos devem estar numerados (1; 1.1; 1.2; 2; 2.1; 2.2).

Os parágrafos devem começar 3 espaços à frente do alinhamento da esquerda.

As imagens por incluir devem ser da autoria expressa do autor, ou com indicação das fontes e permissão para reproduzir. As imagens e gráficos devem ser em preto e branco, com uma resolução igual ou superior a 300 dpi.

Todos os artigos devem ser acompanhados de resumos de 150 palavras, elaborados em português e em inglês, e devem referir-se ao problema de investigação, interesse e contexto do estudo, metodologia utilizada, resultados alcançados e conclusões. Os resumos devem ser seguidos de 5 palavras-chave, também em português e em inglês.

2 Arbitragem “dupla-cega” por Pares

O processo de revisão editorial só será iniciado se o texto obedecer a todas as normas seguidas pela revista Fluxos & Riscos. Caso contrário, será solicitada a adequação às normas e, a partir daí, proceder-se-á à realização de nova submissão.

Se o texto estiver de acordo com as normas mencionadas, e for considerado, pelo Conselho Editorial, potencialmente publicável na revista Fluxos & Riscos, o autor será informado, por e-mail, sobre o início do processo editorial.

O texto será, então, encaminhado para 2 (dois) consultores/revisores, escolhidos pelo Conselho Diretivo de CPES, de entre os investigadores de reconhecida competência na área, de preferência pertencentes ao Conselho Editorial e ao Conselho Científico da revista Fluxos & Riscos. O(s) editor(es) convidado(s) pode(m) sugerir possíveis consultores/revisores (investigadores qualificados pertencentes a instituições, que não as dos autores), na carta de encaminhamento.

Os consultores/revisores não terão conhecimento da autoria do texto, nem os autores terão conhecimento dos consultores, como praticado em “double-blind review”. Caso um consultor ad hoc tenha qualquer espécie de impedimento, para expressar o seu parecer, devolve, imediatamente, o artigo ao Editor da revista. Neste caso, ou em caso de discrepância na opinião, ou pareceres contraditórios dos dois consultores, haverá recurso a um terceiro especialista.

Os consultores ad hoc, após a análise do texto, rejeitam, recomendam com sugestões de modificações, ou sugerem a sua publicação. Os autores recebem cópias dos pareceres dos Consultores. Caso o texto venha a ser rejeitado, os autores podem submetê-lo novamente, depois de cuidadosa revisão, tendo em consideração os pareceres recebidos.

A decisão final sobre a publicação de um texto submetido à revista Fluxos & Riscos cabe ao Diretor e ao Conselho Editorial, auxiliados pelos pareceres dos consultores/revisores. O Diretor, ou a Secretária de CPES, comunicará o resultado final aos autores, o mais rapidamente possível, indicando a data e número da revista previstos para a publicação do artigo.

 

3 Normas para referências bibliográficas

 

As citações e a apresentação da bibliografia devem seguir a norma da APA (American Psychologial Association). Assim: o título dos artigos e dos capítulos de livro devem ser escritos em letra normal; e o nome dos livros (ou equivalente, como jornais, revistas, etc.) em itálico.

 

3.1 Alguns exemplos como deve ser apresentada a Bibliografia, no fim do artigo

 

American Psychiatric Association [APA]. (1990). Dignostic and statistical manual of mental disorders (3ª ed.). Washington, DC: Autor.

Appadurai, A. (2004). Dimensões culturais da globalização. Lisboa: Teorema. (Original em inglês, publicado em 1996).

Ashley, C., & Carney, D. (1999). Sustainable Livelihoods: lessons from early experiences. London: DFID.

Bruneau, M. (2010). Diasporas, transnational spaces and communities. In R. Bauböck & T. Faist (Eds.), Diaspora and Transnationalism: concepts, theories and methods (pp. 35-49). Amsterdam: Amsterdam University Press.

Campos, D. B. (1992). Estrutura familiar, relações parentais, pesquisas e didácticas. Tese apresentada ao Departamento de Sociologia da Universidade Camões, para obtenção do grau de doutor, orientada por Judite Santos Montez, Lisboa.

Decreto-Lei n.º 380/99 de 22 de setembro. Regime Jurídico dos Instrumentos de Gestão Territorial.

Fernandes, M. (1997). O papel das mulheres no século XIX (2ª ed., Vols. 2-5). Lisboa: Saraiva.

Fisga, A. N. (2007). Trabalhar em rede: uma nova forma de emprego. In A. V. Colaço (Coord.), O trabalho como factor de desenvolvimento (1ª ed., pp. 145-234). São Paulo: Livro em Festa.

Gaspar, J. (2001). Retorno da paisagem à Geografia: apontamentos místicos. Finisterra, 72, 83-99.

Goleman, D. (1991, outubro 24). Battle of insurers vs. therapists: cost control pitted against proper care. New York Times, pp. 10, 15.

Marcos, A. V. (2002). O papel da arte no desenvolvimento. Manuscrito não publicado, Universidade Camões, Lisboa.

Marques, G. T. (2004a). Museologia social. Lisboa: Universidade Camões.

Marques, G. T. (2004b). Urbanismo e Urbanistas (2ª ed.). Lisboa: Universidade Camões. (Original publicado em 2001).

Martins, A. B. (2004). O papel do urbanista no desenho do espaço urbano. Comunicação apresentada no II Congresso Nacional de Urbanismo, Lisboa.

Matias, C., Bruno, N., Choupana, S., Router, k., & Costa, L. (2006). A natureza da expansão escolar na Guatemala. (Texto no prelo).

Michelle, B., Silva, B., Martins, S. B. Sousa, I, B., Castanho, G. M., & Castanheira, A. S. (2006). A utiização das novas tecnologias no interior de Portugal. Revista Social, 24, 124-147. Acedido em 12 de março de 2003, em http://www.sociedadeemrede.org/revista24/michelle.pdf

 

3.2 Citações

 

As citações podem ser apresentadas de forma direta, quando o texto original é transcrito textualmente do seu autor, ou indireta, se a citação é feita a partir de fonte não origimal. As citações diretas, com menos de 40 palavras, devem ser inseridas no texto e colocadas sempre entre aspas. Se tiverem mais de 40 palavras, devem ser destacadas do texto, com tamanho de letra TNR 11, espaçamento de 1, e afastamento de 1cm da margem esquerda e 1cm do lado direito, sem aspas, conforme o exemplo:

De minha parte, devo dizer que falo de um território híbrido e sempre híbrido. Falo de um lugar ou de um caldeirão onde se misturam ciência, arte, poesia, tecnologia, filosofia e um tanto de dança e mais um tanto de tempero considerado exótico (Chagas, 2007, pp. 20-21).

Exemplo de citação direta, com menos de 40 palavras:

Conforme Chagas (2007, p. 12), “(…) a formação de cientistas e a produção científica, sobretudo na segunda metade do século XIX, tinham nos museus um dos seus principais pontos de apoio”.

Se a citação não for textual, não se coloca entre aspas. Assim:

Segundo Chagas (2007, p. 12), a produção científica e a formação de cientistas, principalmenre na segunda metade do séc. XIX, encontravam nos museus um dos seus princpais apoios.

Nas citações indiretas:

Conforme afirmava Chagas (2007, apud Gomes, 2008, p. 30), “(…) a formação de cientistas e a produção científica, sobretudo na segunda metade do século XIX, tinham nos museus um dos seus principais pontos de apoio”.

Se forem dois autores do texto:

Segundo Gomes & Marques (2005, p. 10), “O grande impulso para o setor eléctrico em Portugal surgiu, nomeadamente com a Lei 2002, de 1944, que definiu as linhas mestras da eletrificação do País”.

Se os autores foram mais que dois:

Conforme afirma Saraiva et al. (2012, p. 22), “(…) o meio rural, com o seu tradicional modo de vida, está hoje seriamente ameaçado por toda a Europa”.

Os autores e respetivos trabalhos, referidos ao longo do texto, devem constar na Bibliografia, colocada no fim.

 

NB – Para um melhor esclarecimento destas matérias, conferir, embora com ligeiras diferenças:

http://bit.ly/2cn7viy