Mulheres pouco representadas nos media desportivos

A presença das mulheres na imprensa desportiva foi o tema do Seminário “Mulheres nos Media Desportivos: Representações sobre o Desporto Feminino e as Atletas nos Jornais A Bola, Record e O Jogo”. O trabalho apresentado foi o resultado do estágio de investigação realizado no CPES por Noemí Corrêa Bueno, investigadora de doutoramento em Ciências da Comunicação da UNESP (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho), sob a orientação da professora Salomé Marivoet, entre novembro de 2016 e julho de 2017.

O objetivo principal do estudo foi saber em que medida as imagens das desportistas produzidas pelos jornalistas é semelhante aos estereótipos de género dominantes. Considerando o desporto como um espaço social de observação da sociedade, a investigação pretendia averiguar em que medida as imagens das atletas produzidas pelos jornalistas é semelhante aos estereótipos de género dominantes na sociedade? A investigação usou como corpus de análise os jornais A Bola, O Jogo e Record, durante o período de novembro de 2016.

Apesar de serem periódicos dedicadas especificamente ao desporto, a presença das mulheres nas páginas dos jornais está menos ligada à figura de atleta e mais ao papel de esposa e familiar de atletas homens. Os resultados acabam por refletir as convenções sociais ainda vigentes, em que o papel da mulher é remetido para a esfera doméstica.

No universo analisado verificou-se um reduzido número de peças jornalísticas que indicavam a autoria. Considerando as que permitiam identificação, mais de metade eram assinadas por homens, reforçando o contexto masculino da imprensa desportiva. Por fim, ao comparar os textos produzidos por homens e por mulheres, notou-se que os homens tendem a criar a invisibilidade da presença das mulheres, ao não referirem os seus nomes (por exemplo, informando apenas o resultado coletivo de uma equipa numa modalidade, sem destacar nenhuma atleta em particular), enquanto nos textos escritos por mulheres, verificou-se o enfatizar da estética do corpo e a relação familiar.