CPES concorre com três projetos ao concurso FCT 2017 em todos os domínios científicos

O Centro de Pesquisa e Estudos Sociais (CPES) submeteu três projetos de investigação ao  Concurso da FCT – Aviso N.º 02/SAICT/2017 – Projetos de Investigação Científica e Desenvolvimento Tecnológico (IC&DT), da responsabilidade de cinco Investigadores:

  • TIMEImpact: IMPACTO DA APROPRIAÇÃO DO TEMPO NO QUOTIDIANO. PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES NOS ESPAÇOS DO TRABALHO, LAZER, SOCIABILIDADES E DO SER da responsabilidade de Salomé Marivoet (IR) e Rui Duarte Moura (Co-IR).
  • FMEL : FLUXOS MIGRATÓRIOS NO ESPAÇO LUSÓFONO, COM UM MODELO DE MIGRAÇÃO EINSTEINIANO DE DEFORMAÇÃO DO ESPAÇO‑TEMPO, da responsabilidade de Manuel Antunes (IR) e Francisco Carvalho (Co-IR).
  • MASFAR: METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DOS FATORES DE ACESSO À RIQUEZA POR INDIVÍDUOS E FAMÍLIAS, NO PRESENTE E NA EMERGENTE SOCIEDADE DO CONHECIMENTO, da responsabilidade de Artur Parreira (IR) e Ana Lorga (Co-IR).

No total, as equipas de investigação contam com a participação de 25 investigadores do CPES, sendo 15 Integrados, 3 Associados, 2 MsD Students e 5 Convidados.

IMPACTO DA APROPRIAÇÃO DO TEMPO NO QUOTIDIANO. PRÁTICAS E REPRESENTAÇÕES NOS ESPAÇOS DO TRABALHO, LAZER, SOCIABILIDADES E DO SER (TIMEImpact).

Resumo

As fortes e aceleradas mudanças em curso têm criado alterações nas esferas produtivas e reprodutivas, tornando-se o tempo pouco regulável, realidade que evidencia rupturas com a racionalização moderna dos usos do tempo para muitos tido como um problema sério do séc. XXI.

O Projecto de investigação pretende saber em que medida as estruturas sociais, fortemente determinadas pelas lógicas dos mercados, incluindo os dos consumos culturais, estão a impor escolhas e ritmos de realização da acção nos quotidianos da vida das pessoas, limitadores da sua liberdade ontológica, e qual o impacto nos modos de vida e de pensar o real e a sociedade.

A equipa é constituída por 14 investigadores. No Plano de investigação encontram-se 13 estudos que recorrem a métodos qualitativos e quantitativos, sinergeticamente interligados na produção do conhecimento final da investigação. Para a divulgação dos resultados, reflexão e debate estão previstos 5 eventos científicos e um Portal interactivo.

Equipa de Investigadores do CPES

Integrados Salomé Marivoet (IR) e Rui Duarte Moura (Co-IR), Ana Lorga, Carla Silva, Cristina Santos, Felipa Reis, Jorge Mangorrinha, Sónia Vladimira Correia, Vítor Rosa; os Associados Duarte Pimentel e Helena Mendonça; e a Convidada Carla Cardoso.

FLUXOS MIGRATÓRIOS NO ESPAÇO LUSÓFONO, COM UM MODELO DE MIGRAÇÃO EINSTEINIANO DE DEFORMAÇÃO DO ESPAÇO‑TEMPO (FMEL).

Resumo

O projeto tem como objetivo a análise comparada dos sistemas de Informação Demográfica dos movimentos migratórios existentes no espaço lusófono, a natureza e composição dos fluxos migratórios e a estimativa da importância dos movimentos migratórios entre os 8 países que têm a língua portuguesa, bem como dos respetivos impactos na dinâmica demográfica, na economia e noutros aspetos sociais.

Trata-se de um estudo inovador, apropriado e estratégico. É inovador por procurar identificar as principais linhas de convergência e divergência existentes nos diferentes sistemas de informação demográfica, base de uma ação integrada no espaço lusófono, bem como as principais lacunas existentes.

É apropriado pelo facto de ser previsível a continuação e eventual aumento dos fluxos migratórios no espaço lusófono, numa perspetiva de explicação das migrações segundo um novo modelo einsteiniano multivariado de “deformação do espaço-tempo”, que ultrapasse a perspetiva newtoniana da gravitação populacional. É estratégico na medida em que, para além de se identificar as principais divergências, permite equacionar e identificar os meios para uma integração da informação.

Equipa de Investigadores do CPES

Integrados Manuel Antunes (IR) e Francisco Carvalho (Co-IR), Manuel Serafim Pinto, Carlos Caranca , Ana Lorga; a Associada Maria Teresa Ramilo; a MsD Student Mafalda Machado; e o Convidado Custódio Cónim.

METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DOS FATORES DE ACESSO À RIQUEZA POR  INDIVÍDUOS E FAMÍLIAS, NO PRESENTE E NA EMERGENTE SOCIEDADE DO CONHECIMENTO (MASFAR).

Resumo

O Projeto visa  aprofundar o tema da sustentabilidade, na perspectiva do acesso dos cidadãos à riqueza socialmente criada. Visa  encontrar metodologias de avaliação dos fatores da sustentabilidade, pertinentes para os microssistemas sociais (indivíduos/famílias), com foco  nas  cinco dimensões estudadas pelos autores: Ambiental, Económica, Social, Cultural, Política.

O projeto de pesquisa foca especificamente os microssistemas humanos (indivíduos/famílias); os outros ‒ mesossistemas (microempresas e organizações de médio porte); macrossistemas (sociedades e conglomerados organizacionais) ‒ são abordados só como contextos de suporte.

O estudo da avaliação, como processo de decisão complexo que valida as ações de gestores e governantes, fundamenta o propósito nuclear do projeto de pesquisa: estudar metodologias de avaliação da sustentabilidade e elaborar modelos e instrumentos para sua avaliação mais eficaz, ao nível dos microssistemas humanos, indivíduos e famílias.

Equipa de Investigadores do CPES

Integrados Artur Parreira (IR), Ana Lorga, Manuel Antunes, Rui Duarte Moura, Inna Paiva;  a MsD Student Cátia Rosário;  e os Convidados Francisco  Martinez-Castañeda, Paulo Finuras e Marcelo Marujo.